Toque para Nkos’i – reabertura da casa

No último dia 29/01/2022 celebramos, com um breve toque, o dono de nossa casa, o inquice Nkos’i. Devido à continuada situação sanitária mundial, com a ainda corrente e letal pandemia da COVID-19, nosso toque foi bastante cuidadoso, guardando a exigência de que todas e todos mantivessem suas máscaras, distância entre si, etc. Tampouco foram feitos convites para o toque, pois a orientação de Tateto Nkos’i era a de não encher a casa. Ademais, em uma necessária, porém atípica, demanda de nossa comunidade, pedimos a todas e todos que evitassem o contato físico entre sí. Nossos inquices dançaram, mas sem os saudosos abraços que queríamos distribuir.

Mesmo assim, nos alegramos com a celebração. Foi emocionante receber inquices em nosso barracão, que dançaram e nos abençoaram com a sua presença. E, para abrilhantar mais ainda nossa festa, celebramos os 51 anos de santo de Tateto Nepanji, com a presença de nossa tia Mameto Embanda, irmã de santo nosso pai, que neste ano completa 49 anos de santo. Na foto abaixo fica o registro da presença de nossa tia, ao lado de seus dois irmãos, também filhos de Mameto Oloiá: pai Nepanji e Tata Kis’ange.

Le Mambuko Tateto Nkos’i!

Feijoada Solidária

O ano de 2021 trouxe inúmeros desafios a toda a população mundial, visto a continuada pandemia da COVID-19, que desde 2020 a humanidade enfrenta. Além desses desafios, a Cabana Senhora da Glória enfrentou no ano passado outros problemas, motivados por ódio, tendo sofrido múltiplas invasões, quebra de imagens e outros itens, ademais de alguns roubos. Dentre todos os prejuízos, destaca-se a destruição da imagem histórica de Iemanjá que adornava nosso Gongá umbandista. Essa, cabe dizer, foi a primeira imagem a ser levada em carreata na tradicional festa de Iemanjá da Lagoa da Pampulha, cujas primeiras edições foram organizadas por nosso Tateto Nepanji. Hoje a festa é reconhecida como Patrimônio Cultural do município de Belo Horizonte (mais informações neste link).

Não obstante todo o ódio endereçado a nós, à nossa ancestralidade e ao nosso sagrado, marcas do racismo e, em específico, do racismo religioso brasileiro (para entender mais sobre racismo religioso, leia o texto deste link), a nossa casa propõe celebrarmos o amor e a beleza da nossa história, em comunhão com todas e todos. Para tanto, realizaremos no próximo dia 30/01/2022 o evento “Feijoada Cultural de arrecadação cultural”, no espaço Odara, no bairro União, em Belo Horizonte. Parte da arrecadação do evento será doada pelo Odara à Cabana Senhora da Glória, para apoiar a nossa reconstrução.

Sobre o evento
Objetivo: Arrecadar recursos para recompor as perdas sofridas pela Cabana Senhora da Glória por conta da violência e do racismo religioso.
Ação: Arrecadação via ingresso para o evento ou doações esporádicas para fomentar este suporte.
O evento: O evento acontecerá no Odara (rua Arthur de Sá, 380 – União), os ingresso irão cobrir os custos básicos para realização do evento e o lucro será doado à Cabana Senhora da Glória. Haverá prestação de contas e anúncio de agradecimento final. O Odara possui divisão de ambiente e possui lotação máxima de 190 pessoas. Serão realizadas rodas de conversa em sala separada (capacidade máxima de 30 pessoas) sobre a Cabana Senhora da Glória e sua história, bem como sobre a tradição afrorreligiosa brasileira. A feijoada é liberada para todas e todos as/os participantes, que contarão também com o som ambiente entre apresentações e show do grupo de resgate de tradição do samba rural “herança ancestral” e apresentação e exposição da percepção do atabaque na nossa tradição.

Ingressos podem ser adquiridos antecipadamente. Clique aqui.

Visita de Tata Kisange e Kota Neganji à casa irmã Filhos do Bate Folhinha

No último dia 27/10/2021, nosso Tata Kisange e nosso Kota Neganji fizeram uma visita à nossa casa irmã Filhos do Bate Folhinha, liderada pela querida Mameto Embanda, irmã de santo de Tateto Nepanji e de Tata Kisange.

Mameto Embanda é uma dessas figuras simpáticas que encontramos nos Candomblés e nas Umbandas. É filha de santo do último barco da saudosa Mameto Oloiá, que foi também quem iniciou as lideranças de nossa casa e plantou nosso ngunzo e nos orientou em nossos primeiros passos pelo Candomblé. Ademais, Embanda foi a primeira mãe de santo de Nenzinha, neta carnal de Mameto Oloiá e atual zeladora de nossa casa mãe, o Bate Folhinha de Salvador.

Já senhora de idade, Mameto Embanda recebeu muito afetuosamente os filhos do nosso terreiro, na cozinha da sua casa – locus sagrado de ensinamentos nos Candomblés, e de café também! Conversou sobre os velhos tempos e sobre a afrorreligiosidade umbandista e candomblecista de Belo Horizonte como um todo. Junto a Tata Kisange e Kota Neganji, reforçou os laços e os afetos de uma relação antiga e potente, que segue viva e forte ainda no presente.

Makuiu, Mameto Embanda!

Live / Podcast: Papo na Encruza, com Tata Mubnzazi

Na sexta-feira, 29/10/2021, nosso Tata Mubnzazi, Kambondo Mabaia da nossa casa, participou da live/podcast Papo na Encruza, em que conversou com os apresentadores e ouvintes sobre a Umbanda e a Cabula, religiões mães da nossa Cabana Senhora da Glória.

Confira o vídeo abaixo:

O povo de santo e a sobrevivência em meio à pandemia

Em 28/09/2021, como parte das atividades da Semana Universitária de 2021, da Unversidade de Brasília, Tata Kisange e o Pai Ricardo – filho da Cabana Senhora da Glória e dirigente do terreiro de Umbanda e Associação da Resistência Cultural Afro-Brasileira Casa de Caridade pai Jacob do Oriente – serão os debatedores do evento Encontros Afrorreligiosos VI: o povo de santo e suas estratégias de sobrevivência em meio à pandemia.

A proposta da atividade é gerar um espaço de compartilhamento sobre como as religiões afro-brasileiras têm sido praticadas e vividas ao longo da pandemia do covid-19. Diante desse contexto, muitas casas de santo foram impossibilitadas de realizar suas atividades plenamente, exigindo adaptações. Nesse período, as casas têm articulado estratégias para a continuidade e preservação das suas atividades, sejam religiosas, ou de prestação de serviço à comunidade e gestão do seu espaço, bem como as possíveis atividades à distância. Na intenção de compreender melhor as experiências vivenciadas pelos povos de terreiro, o grupo de estudos Calundu, que desenvolve há anos atividades de pesquisa e extensão na temática, propõe diálogo entre representantes de comunidades afrorreligiosas, com o intuito de falar sobre como o cotidiano foi afetado pelas adaptações sanitárias que o contexto exige.

O debate será conduzido por nosso Tata Mubnzazi.

Espaços Sagrados Protegidos

Em 13 de maio de 2021, dia em que a Cabana Senhora da Glória completou 60 anos desde a sua fundação, foi lançado o projeto “Espaços Sagrados Protegidos”. De iniciativa da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, o projeto promete mais proteção a terreiros e espaços afrorreligiosos da cidade, que contaram com fluxo de acesso específico junto à Guarda Municipal, para o encaminhamento e atendimento de demandas atinentes ao racismo religioso, que nossas casas ainda sofrem.

Conforme o Promotor de Justiça Allender Barreto, coordenador de Combate ao Racismo e Todas as Outras Formas de Discriminação do Ministério Público de Minas Gerais, “trata-se de um projeto importante que, rompendo preconceitos, redobra o esforço do Poder Público na proteção de espaços de fé, prestigiando o direito fundamental à liberdade religiosa”.

Na ocasião do lançamento, a Cabana Senhora da Glória foi reconhecida como um dos espaços sagrados mais antigos da cidade, sendo inserida no projeto como um dos espaços desde já protegidos pela Guarda Municipal. Nosso Tata Kis’ange, ogan mais antigo de Belo Horizonte, cantou cantigas de Lembá no encerramento do evento.

OBS: Por ter sido um evento realizado durante a pandemia do COVID-19, cabe ressaltar que todas as medidas sanitárias recomendadas de distanciamento social e cuidado foram tomadas.